quinta-feira, 27 de outubro de 2011

,

Eu era chuva de verão, sempre inesperada, distante, convicta, uma tormenta em meio ao sol e depois nada, porque me desfalecia, afastava, sumia, desertava, gostava desses jogos perigosos e estreitos onde não se têm mais que vencedores insanos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário